$type=grid$count=4$meta=0$snip=0$rm=0$hide=label$hide=post

ESTERILIZAÇÃO DE PESSOA COM DEFICIÊNCIA DEPENDE DE CONSENTIMENTO EXPRESSO

COMPARTILHAR:

por TT




A 4ª Turma Cível negou, por unanimidade, provimento a recurso de mulher com deficiência, representada por sua curadora, contra decisão da 5ª Vara da Fazenda Pública do DF, que indeferiu pedido de tutela de urgência para determinar que o Distrito Federal efetuasse a laqueadura tubária da autora no momento do parto.

O pedido foi negado em 1ª instância, pois o juiz entendeu que não havia nos autos demonstração da recusa do DF em realizar o procedimento de laqueadura. Ao recorrer da decisão, a agravante alegou que, diante da ausência de resposta do DF ao pedido formulado administrativamente, presumiu-se o indeferimento do procedimento pelo governo local. Logo, solicitou a antecipação da tutela recursal, uma vez que laudo médico comprova a necessidade e a urgência da laqueadura tubária. O DF, por sua vez, argumentou que é necessária a autorização expressa da mulher com deficiência para que o procedimento cirúrgico seja realizado.

Ao manter a decisão que indeferiu o pedido da autora, a Turma destacou que o risco à vida ou à saúde da mulher ou da criança está entre as hipóteses previstas na Lei 9.263/1996 para esterilização voluntária. No entanto, os desembargadores ressaltaram que é necessário consentimento expresso e devidamente informado da mulher para a realização do procedimento, o que não foi constatado no referido caso, uma vez que, conforme consta nos autos, o “Termo de Declaração e Compromisso Solicitação de Contracepção Cirúrgica” foi assinado apenas pela curadora.

Segundo os desembargadores, a assinatura do termo apenas pela curadora ofende ainda o Estatuto da Pessoa com Deficiência, que prevê o consentimento prévio, livre e esclarecido da pessoa com deficiência para a realização de tratamento, procedimento, hospitalização e pesquisa científica. Além disso, conforme apontam os desembargadores, a referida legislação garante à pessoa com deficiência o exercício de seus direitos sexuais e reprodutivos, sendo vedada a esterilização compulsória; bem como prevê que a curatela não alcança direitos inerentes ao corpo e à sexualidade da pessoa com deficiência.

Assim, com base na legislação, a Turma concluiu que “sem o consentimento esclarecido da Agravante, que deve ser obtido segundo as peculiaridades e a extensão das suas limitações, não se pode cogitar da esterilização voluntária”.

PJe: 0708570-35.2018.8.07.0000


TJDFT

COMENTÁRIOS

Nome

Destaques,1,Últimas notícias,85,
ltr
item
Política no Ponto Certo: ESTERILIZAÇÃO DE PESSOA COM DEFICIÊNCIA DEPENDE DE CONSENTIMENTO EXPRESSO
ESTERILIZAÇÃO DE PESSOA COM DEFICIÊNCIA DEPENDE DE CONSENTIMENTO EXPRESSO
Política no Ponto Certo
https://www.politicanopontocerto.com.br/2018/11/esterilizacao-de-pessoa-com-deficiencia.html
https://www.politicanopontocerto.com.br/
https://www.politicanopontocerto.com.br/
https://www.politicanopontocerto.com.br/2018/11/esterilizacao-de-pessoa-com-deficiencia.html
true
3463843649855956759
UTF-8
Carregou todos os posts Não encontrei nenhum post VER TUDO Leia mais Reply Cancel reply Apagar Por Home PÁGINAS POSTAGENS Ver tudo RECOMENDADO PARA VOCÊ TAG ARQUIVO BUSCAR TODAS AS PUBLICAÇÕES Não encontrou nenhum resultado após a sua busca? Voltar pra Home Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Jan Fev Mar Abr Maio Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Agora mesmo 1 minuto atrás $$1$$ minutes ago 1 hora atrás $$1$$ hours ago Ontem $$1$$ days ago $$1$$ weeks ago mais de 5 semanas atrás Seguidores Seguir ESTE CONTEÚDO É PREMIUM Por favor, compartilhe para desbloquear Copie todo o código Selecione todo o código Todos os códigos foram copiados para sua área de transferência Não é possível copiar os códigos / textos, por favor pressione [CTRL] + [C] (ou CMD + C com Mac) para copiar