$type=grid$count=4$meta=0$snip=0$rm=0$hide=label$hide=post

Empresa alvo da Lava Jato integra grupo interessado no Mané Garrincha

COMPARTILHAR:

A Agência de Desenvolvimento (Terracap) recebeu nesta quinta-feira (8/3) uma única proposta de empresas interessadas em assumir o complexo esportivo ArenaPlex. O interesse é do consórcio formado pela RNGD, mesma empresa que fez o estudo de viabilidade do negócio, pela holandesa Amsterdam Arena e a Capital Live, braço do grupo WTorre, investigado nas operações Lava Jato e Greenfield.

O GDF quer entregar ao grupo a gestão do estádio Mané Garrincha, do ginásio Nilson Nelson e do parque aquático Cláudio Coutinho por 35 anos. Para tornar a concessão atraente e rentosa, foi autorizada a construção de um boulevard com lojas, restaurantes e cinemas.

O grupo foi batizado de Arena BSB, uma abreviação de Boulevard Show de Bola.  Agora, a Terracap vai analisar a proposta e ver se a mesma apresenta os requisitos técnicos e jurídicos necessários para a parceria. Se tudo estiver regular, a empresa deve assinar contrato com a Terracap em abril. Porém, todo o projeto vai precisar passar pelo crivo da Câmara Legislativa.

Investigações
O grupo WTorre construiu a Allianz Parque, arena do Palmeiras, em São Paulo, e criou a Capital Live para administrá-la. Em 2016, Walter Torre Júnior, presidente do conglomerado, foi alvo da Operação Abismo, 31ª fase da Lava Jato. Segundo a força-tarefa da Polícia Federal e da Procuradoria-Geral da República, a empresa teria recebido uma propina de R$ 18 milhões para abandonar a licitação do Centro de Pesquisas da Petrobras (Cenpes), beneficiando a OAS. A empresa nega irregularidades.

Na Greenfield, que investiga fraudes nos fundos de pensão, Walter Torre também foi convocado a depor coercitivamente para explicar a construção do estaleiro Rio Grande. Na época, a empresa esclareceu que construiu o empreendimento com recursos próprios e o vendeu à Engevix, que teria se associado ao fundo de pensão da Caixa (Funcef). A investigação está em curso.

Segundo Richard Dubois, líder do consórcio Arena BSB, embora sejam do mesmo dono, a WTorre Construtora e a Capital Live têm CNPJs diferentes.

De acordo com ele, por conta da expertise, a empresa de eventos foi contratada por eles para fazer apenas a gestão do negócio. “A Capital Live é nossa subcontratada. Ela não tem nada a ver com a construtora. O capital do negócio é 100% da RNGD”, explica. A reportagem acionou a Terracap, que não se manifestou até a publicação desta reportagem.

Elefante branco
O Procedimento de Manifestação de Interesse (PMI) para a concessão do complexo esportivo brasiliense teve início em 2016. Desde a construção do mané Garrincha, a Terracap acumulou enormes prejuízos financeiros. Para erguer o estádio, o dispêndio foi de R$ 1,6 bilhão, segundo cálculos do Tribunal de Contas do DF (TCDF). Com a manutenção, desembolsa mais de R$ 700 mil mensais.

Ao fazer a concessão, a estatal espera recuperar parte dos investimentos e dar funcionalidade à praças esportivas que não deslancharam e se encontram abandonadas atualmente. A economia da Terracap com a concessão será de aproximadamente R$ 14 milhões anuais. A partir do quinto ano de parceria, a agência também receberá outorga no valor de R$ 5 milhões a cada 12 meses.

Porém, o retorno do negócio aos cofres da estatal do GDF será menor do que o esperado. A fatura do IPTU de R$ 800 mil anuais será bancada integralmente pela Terracap enquanto durar a parceria público-privada. Essa condição foi imposta pelos interessados para que o projeto saísse do papel. “Estamos satisfeitos de ver um novo passo para Brasília”, afirmou Richard Dubois, líder do consórcio.
O estádio segue na mira do Tribunal de Contas (TCDF), que apura superfaturamento nas obras, e da Polícia Federal, após a deflagração da Operação Panatenaico, apontando a construção do estádio como escoadouro de propina para políticos e ex-gestores do DF. Entre eles os ex-governadores José Roberto Arruda (PR), Agnelo Queiroz (PT) e o ex-vice-governador Tadeu Filippelli (PMDB), que chegaram a ser presos.

Relatório da Polícia Federal apontou superfaturamento de R$ 559 milhões nas obras do estádio. Orçado, em 2010, em cerca de R$ 600 milhões, o Mané Garrincha custou quase o triplo aos cofres públicos. Logo após a sua inauguração, chegou a registrar públicos próximos de sua capacidade, 70 mil pessoas. Porém, nos últimos anos, passou a fazer jus à expectativa inicial de que seria um elefante branco.

COMENTÁRIOS

Nome

Destaques,1,Últimas notícias,85,
ltr
item
Política no Ponto Certo: Empresa alvo da Lava Jato integra grupo interessado no Mané Garrincha
Empresa alvo da Lava Jato integra grupo interessado no Mané Garrincha
Política no Ponto Certo
https://www.politicanopontocerto.com.br/2018/03/empresa-alvo-da-lava-jato-integra-grupo.html
https://www.politicanopontocerto.com.br/
https://www.politicanopontocerto.com.br/
https://www.politicanopontocerto.com.br/2018/03/empresa-alvo-da-lava-jato-integra-grupo.html
true
3463843649855956759
UTF-8
Carregou todos os posts Não encontrei nenhum post VER TUDO Leia mais Reply Cancel reply Apagar Por Home PÁGINAS POSTAGENS Ver tudo RECOMENDADO PARA VOCÊ TAG ARQUIVO BUSCAR TODAS AS PUBLICAÇÕES Não encontrou nenhum resultado após a sua busca? Voltar pra Home Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Jan Fev Mar Abr Maio Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Agora mesmo 1 minuto atrás $$1$$ minutes ago 1 hora atrás $$1$$ hours ago Ontem $$1$$ days ago $$1$$ weeks ago mais de 5 semanas atrás Seguidores Seguir ESTE CONTEÚDO É PREMIUM Por favor, compartilhe para desbloquear Copie todo o código Selecione todo o código Todos os códigos foram copiados para sua área de transferência Não é possível copiar os códigos / textos, por favor pressione [CTRL] + [C] (ou CMD + C com Mac) para copiar